Chat with us, powered by LiveChat

Wellness: o papel da nutrição esportiva para otimizar a saúde física e mental!

Julho 04,2019
meeting brasileiro de nutrição esportiva

As estratégias da nutrição esportiva aplicadas ao wellness garantem saúde e qualidade de vida na rotina de praticantes de exercícios físicos e atletas. O equilíbrio corporal é a chave para potencializar o desempenho físico e mental, que depende de interações correlacionadas ao estilo de vida saudável. O bem-estar individual é denotado não apenas pela frequência de treinos ou pela composição de gordura e de massa muscular, mas, também, por meio de uma visão mais ampla associada aos benefícios da atividade física, como a prevenção de doenças crônicas e a redução do estresse oxidativo.

À medida que se avança com os estudos associados à saúde, comprova-se a importância da manutenção de hábitos de vida saudáveis. O desequilíbrio alimentar, o sedentarismo e o excesso de transtornos mentais potencializam o estresse oxidativo, também chamado de estresse metabólico. Este é caracterizado como um evento que modifica a homeostase corporal e desenvolve uma resposta neuroendócrina e metabólica de alta complexidade, levando à formação de processos inflamatórios e alterações funcionais responsáveis pelo surgimento de patologias.

 

 Um dos manejos que merece destaque no equilíbrio metabólico é o controle do ciclo circadiano, que também está envolvido na homeostase corporal. O processo sono-vigília tem seu início no sistema nervoso central, por meio da ativação do hipotálamo dorsomedial, região envolvida na regulação do sono, temperatura corporal, alterações no metabolismo energético e do sistema fome-saciedade. Além disso, esse mecanismo é responsável pela secreção de hormônios como cortisol, serotonina, grelina, GH e, principalmente, de melatonina, o mediador principal do sono, que atua como antioxidante e imunomodulador.

Ressalta-se, ainda, que o relógio circadiano sofre interferência de reações associadas ao mensageiro neuroquímico NPY, este envolvido no humor, na sensibilidade ao estresse, na ansiedade e na função cognitiva, além de otimizar o processo de gasto calórico. O desequilíbrio desse relógio interno pode levar ao desenvolvimento de distúrbios na liberação de insulina, alterações no perfil lipídico, surgimento da síndrome do “Comer Noturno” e modificação na expressão de genes interligados ao apetite e à lipogênese.

O Módulo Wellness & Sport Nutrition no #NE2019 trará abordagens relacionadas à literatura científica e experiência da prática clínica de profissionais da área em relação à importância da regulação do estresse metabólico e da modulação do ritmo circadiano. Venha se atualizar, inscreva-se no congresso!

REFERÊNCIAS

 BERNARDI, F. et al. Transtornos alimentares e padrão circadiano alimentar: uma revisão. Rev Psiquiatr RS., v. 31, n. 3, p. 170-176, 2009.

SILVA, C. T.; JASIULIONIS, M. G. Relação entre estresse oxidativo, alterações epigenéticas e câncer. Cienc. Cult., São Paulo, v. 66, n. 1, p. 38-42, 2014.

ALMOOSAWI, S. et al. Chrono-nutrition: a review of current evidence from observational studies on global trends in time-of-day of energy intake and its association with obesity. Proc Nutr Soc., v. 75, n. 4, p. 487-500, nov. 2016.

JOHNSTON, J. et al. Circadian Rhythms, Metabolism, and Chrononutrition in Rodents and Humans. Adv Nutr., n. 7, p. 399-406, 2016.

STEFANO, A. et al. Social dynamics modeling of chrono-nutrition. PLoS Comput Biol., v. 15, n. 1, jan. 2019.

Deixe uma resposta